O meu gato é agressivo? Quando é que as brincadeiras se tornam excessivamente agressivas?

Publicado por Amy Shojai, CABC
minutos de tempo de leitura

Se é amante de gatos, já testemunhou algumas brincadeiras agressivas (e tem arranhões que o comprovam). No entanto, também já se terá questionado: O meu gato é demasiado agressivo?

As brincadeiras dos gatos parecem agressivas. Afinal de contas, os gatos usam os seus dentes e as suas garras para alcançarem os brinquedos, os companheiros de brincadeiras e até os tornozelos dos seus tutores. Por vezes, uma luta inocente transforma-se em agressão e as brincadeiras podem tornar-se perigosas, ainda que o seu gato não tenha a intenção de causar danos. Aprenda a identificar os diferentes tipos de agressividade nos gatos e a evitar que as suas garras afiadas causem ferimentos.

Como é que os gatos brincam?

É a brincar que os gatinhos aprendem muito sobre como interagir com o mundo que os rodeia, bem como com outros gatos e pessoas. Brincar também lhes permite praticar competências que lhes serão úteis na idade adulta, como caçar. Independentemente da idade, a atividade mantém os gatos em forma e brincar alivia o stress e queima energia.

Os gatinhos começam a brincar com objetos, humanos e outros gatos a partir das quatro semanas de idade. Eis algumas brincadeiras comuns dos gatos:

  • Perseguir: os gatos espreitam dos seus esconderijos e agacham-se rentes ao chão, prontos para saltar e emboscar. Geralmente, apoiam-se nos seus membros posteriores para "preparar" o ataque em salto.
  • Saltar: com os seus membros anteriores, os gatos saltam para a frente para capturar um objeto. Podem cair de lado, abraçando os membros anteriores enquanto "chutam" os membros posteriores para dominar o brinquedo.
  • Golpear e escavar: qualquer buraco convida à exploração com as patas para capturar um tesouro escondido. Os gatos também se entregam a experiências de gravidade, como derrubar objetos das mesas com as patas.
  • Caminhar em "bicos de pés“: o pelo mostra-se felpudo e a cauda enrolada para baixo, o que exacerba o seu comportamento temeroso ou agressivo. Põem as orelhas para trás, arqueiam o dorso e viram-se de lado para pessoas, animais de companhia ou brinquedos.
  • Brincar às lutas: os gatos perseguem, lutam e mordem com as garras e os dentes inibidos.

As brincadeiras sociais atingem o seu auge por volta dos três meses de idade e o foco vira-se nessa altura para os objetos. Os gatos com quatro a nove meses de idade preferem qualquer brincadeira que simule a caça. Os gatos adultos continuam a brincar, mas geralmente com menos intensidade.

O meu gato é agressivo?Gato às riscas morde a mão do tutor enquanto está sentado ao colo

Ao passo que os cães vocalizam quando estão a brincar, os gatos permanecem em silêncio. Assim, as vocalizações de qualquer tipo podem indicar que a brincadeira está a tomar proporções indesejadas. Mesmo uma brincadeira mais brusca não constitui um problema se ambos os gatos se mantiverem em silêncio.

Se a brincadeira do seu gato estiver a tornar-se agressiva, poderá observar um ou mais dos seguintes comportamentos:

  • Bater ou golpear com as garras não retraídas
  • Orelhas muito achatadas
  • Dorso arqueado e membros rígidos
  • Pele e cauda felpudas

Também poderá ouvir vocalizações agressivas como:

  • Suspirar - um suspiro de surpresa.
  • Sibilar - geralmente uma expressão defensiva e assustada.
  • Rosnar ou rugir – um aviso ofensivo de um ataque iminente.

Preste atenção aos sinais vocais para determinar quando a brincadeira atravessou os limites, e esteja preparado para intervir e distrair ou retirar um ambos os gatos.

Tipos de agressividade

De acordo com a organização Battersea Cats Home, os gatos não são agressivos por natureza. A agressividade é um meio de comunicação e uma forma dos gatos expressarem aquilo que estão a sentir. As razões mais comuns incluem:

  • Agressividade territorial: este tipo de agressividade é dirigida a um animal ou a uma pessoa, que invade o espaço de um gato. Os gatos atingem a maturidade social entre os dois e os quatro anos de idade e podem começar a sentir-se confiantes para reclamar os seus bens, mesmo que anteriormente se dessem bem com outros gatos. Os gatos defenderão também o seu território principal de gatos desconhecidos.
  • Agressividade redirecionada: este tipo é comum quando um gato que está dentro de casa vê um intruso no exterior e é incapaz de o alcançar. Quando se encontram neste estado emocional, podem acabar por redirecionar esta agressão contra si ou outros gatos que se aproximem dele.
  • Agressividade por medo: o tratamento indesejado pode desencadear medo ou irritação, provocando o comportamento de mordiscar que significa "deixa-me em paz". Isto pode acontecer quando o seu gato se sente ameaçado ou excessivamente estimulado, talvez por ser acarinhado em excesso, contido, levantado ou forçado a posições indesejáveis.
  • Dor ou problema de saúde: um gato com um problema de saúde ou dores pode espernear numa tentativa de se proteger ou porque está muito sensível. Agende uma visita com o seu veterinário para ajudá-lo a recuperar o seu perfil sociável, feliz e saudável.

gato cinzento brincando com pássaro de peluche azul sobre um cordel

Como lidar com a agressividade?

Independentemente da razão, é importante saber como lidar com o seu gato quando este apresenta um comportamento agressivo.

Enquanto brincam com os restantes membros da sua ninhada, os gatinhos aprendem comportamentos sociais importantes, tais como a força com que podem morder e arranhar. Assim, para reduzir o risco das brincadeiras se tornarem muito agressivas - e frequentes - certifique-se que adota apenas gatinhos com oito semanas ou mais. A adoção de dois gatinhos ao mesmo tempo pode ajudar cada um a compreender até onde pode morder e arranhar. Um gato adulto sociável pode também ensinar aos gatos adolescentes os limites adequados.

Ao brincar com o seu gato, evite usar as suas mãos ou pés como brinquedos. Lance um brinquedo para gatos ou use iscas de cana de pesca para redirecionar a sua energia para fora das mordidelas. Se a brincadeira se tornar brusca, faça uma pausa de alguns minutos para permitir que o seu gato se acalme e tente redirecionar a sua atenção abanando a embalagem do seu alimento.

A organização Battersea Cats Home recomenda que se evite a correção física, uma vez que esta pode aumentar a ansiedade e a frustração do gato e piorar a agressividade. Em vez disso, tente captar a sua atenção fazendo sons com os lábios ou com a língua. Isto interrompe o comportamento para que possa redirecionar a sua atenção para alvos mais apropriados. Eis outras dicas rápidas:

  • Evite prolongar o contacto com os olhos, algo que os gatos podem entender como uma ameaça.
  • Observe a linguagem corporal do seu gato e ouça os sinais que alertam para uma iminente agressão. Acabe com as festinhas assim que detetar qualquer sinal de que o seu gato não está confortável. Concentre-se na sua respiração para se manter calmo e aguarde que o seu gato relaxe. 
  • Quando os gatos não se dão bem, use sprays de feromonas e outros produtos calmantes para aliviar a tensão. Crie uma casa repleta de brinquedos, locais de alimentação, árvores para gatos e zonas próprias para gatos, espalhados o mais possível para reduzir o conflito.
  • Termine com as brincadeiras ruidosas entre animais de companhia, uma vez que as queixas dos gatos predizem agressão. Se os gatos continuarem a lutar, separe-os durante pelo menos 24 horas antes de voltar a juntá-los.

Os gatos que magoam e aterrorizam outros animais de companhia ou assustam pessoas requerem intervenção profissional. Peça ajuda a um especialista em comportamento animal. Compreender e tratar a causa pode prevenir problemas e ajudá-lo a recuperar uma vida harmoniosa com o seu gato.

Biografia da autora

Amy Shojai
Amy Shojai, CABC

Amy Shojai (CABC) é uma consultora certificada em comportamento animal e uma especialista nacional conhecida em cuidados e comportamentos dos animais de companhia. Começou a sua carreira como técnica de medicina veterinária e é a autora premiada de mais de 35 livros não ficcionais prescritivos sobre animais de companhia.

Artigos relacionados

Produtos relacionados