Problemas de saúde frequentes em cães de raça pequena

Publicado por Erin Ollila
minutos de tempo de leitura

Encontre alimentos que atendam às necessidades do seu animal de estimação

Encontre alimentos que atendam às necessidades do seu animal de estimação

Encontre alimentos que atendam às necessidades do seu animal de estimação

Parabéns! A sua família prepara-se para adotar um cão de raça pequena. Já pesquisou tudo, desde os melhores brinquedos para cães de raça pequena até como levar o seu cão de férias, mas também deve estar ciente de alguns dos problemas de saúde mais comuns em cães de raça pequena.

Embora estes problemas de saúde sejam frequentes em cães de raça pequena, isto não significa que o seu novo membro da família será afetado por alguma destas condições. Como tutor atencioso que é, quer estar preparado para todos os momentos de alegria e diversão, mas também para os momentos menos bons. Continue a ler para saber mais sobre cinco problemas de saúde comuns que os cães de raça pequena podem enfrentar.

1.Doença dental

Um bom tratamento dental é importante para todos os cães, mas por terem os dentes "sobrepostos", entre outras razões, os cães de raça pequena têm um maior risco de desenvolver problemas dentais. O primeiro sinal de um problema dental é muitas vezes o mau hálito, mas também pode reparar numa acumulação de tártaro nos dentes e vermelhidão das gengivas. À medida que a doença dental progride, pode causar dor, infeção, perda de dentes e problemas alimentares.

É importante assegurar que tem uma boa rotina para tentar manter os dentes do seu cão limpos. A escovagem diária é o padrão de excelência, mas este hábito deve ser iniciado quando ainda são cachorros, já que pode ser bastante difícil de estabelecer em cães mais velhos. Há uma série de alimentos, biscoitos e pastas de dentes para cães que podem ajudar. Para garantir que escolhe um produto eficaz, certifique-se de verificar na embalagem o selo Veterinary Oral Health Council (VOHC). O seu veterinário pode também recomendar produtos específicos que podem ajudar o seu cão e avisá-lo quando for necessária uma limpeza dental completa.

2.Luxação da patela

Luxação da patela. A patela é o que normalmente designamos por rótula. Situa-se numa ranhura na zona inferior do osso da coxa e deve ser firmemente mantida no lugar pelos tecidos à volta da articulação do joelho. Nalguns cães, especialmente os de raça pequena, a rótula desliza para fora da posição, o que se designa por luxação. Isso acontece por vários motivos. A ranhura pode ser demasiado rasa, os membros podem estar torcidos ou dobrados ou os tecidos demasiado relaxados para a manter no lugar.

A gravidade desta doença varia tanto entre cães que têm uma rótula que se desloca muito ocasionalmente, o que é obviamente súbito e doloroso, mas também em cães com rótulas tão soltas que flutuam constantemente e nunca estão no lugar.

Os cães com luxação da patela podem nem sempre mostrar sinais, mas a maioria irá levantar o membro afetado durante alguns passos e abanar ou evitar apoiar a perna antes de voltar à marcha normal. Este coxear torna-se geralmente mais frequente à medida que a condição progride e pode desenvolver-se consequentemente uma artrite. O tratamento pode variar dependendo da gravidade, sendo a cirurgia recomendada em casos mais graves. Se reparar que o seu cão está a coxear ou a evitar apoiar-se num dos membros, o seu veterinário deverá avaliar o seu melhor amigo e recomendar-lhe as melhores opções de maneio ou tratamento.

A PDSA refere que os cães de raça toy e miniatura, como a raça Caniche, Chihuahua, Yorkshire Terrier e Pomeranian, são os mais frequentemente afetados.

Pomeranian a ser tratado

3.Colapso traqueal

A traqueia, o canal que conduz o ar para os pulmões, é composta por pequenos anéis de cartilagem rígida num tubo de tecido mole. Os anéis de cartilagem mantêm a via aérea firmemente aberta para manter o fluxo de ar desobstruído. O colapso traqueal é uma doença crónica e progressiva em que os anéis de cartilagem perdem alguma da sua rigidez. Isto permite que o tubo caia e, em alguns casos, fique ocluído. Isto pode dificultar a respiração, especialmente durante o exercício ou em momentos de stress, quando a necessidade de oxigénio aumenta e uma via aérea aberta é mais importante do que nunca.

Os problemas de traqueia são mais comuns em cães de meia idade ou mais velhos, embora possam ocasionalmente afetar os cães mais jovens. O sinal mais comum é uma tosse seca e agressiva, por vezes apelidada de "tosse de ganso". Tende a ser pior à noite, quando estão excitados, ou quando uma coleira lhes está a puxar no pescoço. Se o seu cão estiver a tossir, é importante consultar o seu veterinário. A tosse também pode ser sinal de um problema cardíaco ou uma infeção, pelo que é importante descobrir a causa. O colapso traqueal pode ser difícil de tratar, mas a obesidade agrava-o, pelo que deve tentar manter o seu cão em forma ao longo da vida.

4.Doença da válvula mitral

Um dos problemas de saúde mais graves dos cães de raça pequena tem lugar no coração. Durante o processo de envelhecimento, as válvulas do coração podem começar a "desgastar-se" e a apresentar fugas, fazendo com que o coração funcione de forma menos eficaz. Uma fuga na válvula mitral, uma das maiores válvulas do lado esquerdo do coração, é designada por insuficiência mitral ou regurgitação mitral. Esta doença tem uma base genética e é muito mais frequente em determinadas raças, como a Cavalier King Charles Spaniel.

Nem todos os cães com doença da válvula mitral revelarão sinais, mas, segundo a PDSA, os sinais mais comuns são apatia, falta de ar, respiração ofegante e colapso. Outro sinal comum é a tosse que se agrava à noite, ou depois de dormir ou ao deitar-se.

Os cães com problemas graves na válvula mitral podem correr o risco de sofrer de insuficiência cardíaca congestiva. Esta é a fase final de muitas doenças cardíacas, incluindo da doença da válvula mitral. Quanto mais tempo o coração bater de forma ineficaz, maior será a pressão, porque o sangue acumula-se no coração e nos vasos sanguíneos que o precedem e não é bombeado para fora adequadamente. Com o tempo, o coração torna-se cada vez maior devido a este facto e as paredes tornam-se mais fracas e ainda menos eficientes. Este é um ciclo vicioso mortal. A pressão do sangue acumulado empurra o líquido para os pulmões e para as extremidades, causando edema. Assim, pode ver que é importante visitar o seu veterinário o mais rapidamente possível se o seu cão mostrar sinais para a medicação poder ser iniciada, se necessário. O seu veterinário verificará a existência de um sopro utilizando um estetoscópio e poderá querer efetuar outros exames como ecografia, radiogradia ou ECGs (utilizados para verificar o ritmo cardíaco do seu cão).

Infelizmente, não há métodos preventivos que possa adotar para evitar esta condição. No entanto, com exames regulares, o seu veterinário pode detetar o problema o mais cedo possível e indicar-lhe um plano de monitorização e cuidado. Ao escolher o seu cão de raça pequena, faça sempre a sua pesquisa e compre apenas a criadores que tenham testado o coração dos progenitores das raças normalmente afetadas.

5. Obesidade

Embora seja tentador oferecer biscoitos ao seu cão de raça pequena, é importante lembrar que isto pode levar ao aumento de peso. Os  cães com excesso de peso podem ter problemas de locomoção e correm o risco de desenvolver outras doenças, como diabetes e artrite. Não conseguir sentir facilmente as costelas do seu cão ou reconhecer claramente a sua cintura são sinais de que o seu companheiro poderá estar com excesso de peso.

Certifique-se de que alimenta o seu cão com a quantidade adequada de alimento para o seu peso ideal, que lhe oferece um número limitado de biscoitos e que lhe proporciona a oportunidade de se exercitartodos os dias – mesmo que sejam pequenas brincadeiras em casa ou no jardim.

Se suspeitar que o seu cão tem excesso de peso ou não tiver a certeza do peso ideal, entre em contacto com o seu veterinário. Este pode ajudar a iniciar um plano de alimentação adequado.

Conhecer alguns dos problemas de saúde comuns dos cães de raça pequena, que o seu novo cão pode enfrentar, ajuda a garantir que faz tudo o que pode para o manter saudável. Mas lembre-se: só porque o tamanho do seu cão faz dele um potencial candidato, tal não significa que o seu melhor amigo irá, de facto, desenvolver algum destes problemas. Saber reconhecê-los significa que pode procurar tratamento precoce junto do seu veterinário ou mesmo evitar por completo certos problemas.

Biografia da autora

Erin Ollila

Erin Ollila acredita no poder das palavras e como uma mensagem pode informar, e até mesmo transformar, o seu público-alvo. Os seus textos podem ser encontrados na Internet e nas livrarias e incluem entrevistas, escrita-fantasma, publicações em blogues e jornalismo literário. A Erin é uma especialista em SEO e em tudo o que diz respeito a redes sociais. Graduou-se na Universidade de Fairfield com um M.F.A em Escrita Criativa. Siga-a no Twitter @ReinventingErin ou obtenha mais informações em http://erinollila.com.

 

Revisto pelo Dr. Hein Meyer, DVM, PhD, Dipl-ECVIM-CA e a Drª. Emma Milne BVSc FRCVS

Artigos relacionados

Produtos relacionados