Uma visão científica do seu cão e do seu comportamento

Publicado por
minutos de tempo de leitura

A ciência está em crescimento, com cada vez mais investigadores a dedicarem o seu tempo e recursos a compreender como evoluíram os cães até se tornarem os melhores amigos do homem. Graças à biologia e psicologia canina, sabemos agora mais do que nunca sobre os cachorros e o seu comportamento. Curioso para saber o que a ciência tem a dizer sobre o seu cão? Continue a ler para descobrir algumas das revelações mais fascinantes.

Porque é que os cães dormem tanto?

Puppy sleeps on her back in a brown dog bed with toys around her.Os cães precisam de dormir muito mais do que os humanos  devido à escassez de tempo que permanecem na fase REM. Enquanto esta fase (a mais profunda e reparadora) equivale aproximadamente a 25% do sono humano, os cães só permanecem na fase REM cerca de 10% do seu dormir. Isto significa que precisam de dormir mais para compensar o desequilíbrio.

Porque ladram os cães?

Ainda que os cães ladrem por diversos motivos, os biólogos acreditavam antigamente que o ladrar não mudava consoante aquilo que queriam comunicar. No entanto, investigações recentes sobre a biologia canina dão conta de que os cães têm elasticidade nas suas cordas vocais, o que lhes dá a capacidade de alterar ligeiramente o som do ladrar para transmitir diferentes mensagens, segundo a Scientific American.

Imagens espectográficas do ladrar dos cães têm mostrado diferenças em termos de tempo, afinação e amplitude, todos diferentes de acordo com o contexto. O mesmo é válido para o rosnar. Ainda que os investigadores não saibam ao certo o significado dos diferentes tipos de ladrar e rosnar, experiências revelaram que os cães reagem de forma diferente às vocalizações dos outros cães, dependendo do contexto. Por exemplo, os cientistas gravaram um cão a rosnar por causa de alimento e a rosnar a um estranho. Quando reproduziram o primeiro "rosnar relacionado com alimento" ao mesmo tempo que ofereciam um biscoito a outro cão, este hesitava mais em aceitá-lo do que quando ouvia o som do "rosnar a um desconhecido." Outras experiências mostraram que os cães e as pessoas costumam reagir mais ao ladrar de um cão a um desconhecido do que a outros tipos de ladrar. São necessárias mais investigações para decifrar os diferentes tipos de ladrar e rosnar, mas é cada vez mais claro que estes são um elemento de comunicação complexo: os cães não ladram só por diversão.

A que velocidade podem correr os cães?

A velocidade depende de cada cão. A velocidade depende muito do tamanho, da forma do corpo e do comprimento das patas, bem como da saúde e da condição física. O galgo, o cão mais rápido do mundo, alcança uma média de 72,4 quilómetros por hora, sendo que o cão mais rápido desta raça atingiu 81,2 quilómetros por hora, segundo Wag!. Embora os galgos e outras raças de alta velocidade, como os whippets e os galgos-afegãos, pareçam ter sido concebidos para correr, todos os cães têm a capacidade de tornar os seus corpos mais aerodinâmicos quando correm, quer achatando as suas orelhas para diminuir a resistência ao vento, quer empurrando-as para trás para evitar tropeçar.

A forma como os cães movem os seus membros também difere quando correm. Em andamento, um cão move tanto o membro direito como esquerdo juntos. Quando corre, salta com os seus membros posteriores e anteriores ao mesmo tempo, permitindo mais velocidade.

Quão alto pode saltar um cão?

Alguns cães conseguem saltar para o sofá com a maior das facilidades; outros precisam de ajuda para se aconchegarem a si na sua cadeira preferida; e ainda há cães com tanta habilidade para saltar, que mantê-los numa varanda ou terraço fechado pode ser um desafio. Tal como acontece com a capacidade de corrida, também a capacidade de saltar de um cão depende em grande parte do seu tamanho, força, idade, saúde e condição corporal. Tem sido relatado que os cães que saltam mais podem fazê-lo quase até aos 2 metros, mas o que pode ser mais impressionante são as raças pequenas que podem saltar várias vezes a altura do seu corpo. Também é interessante a capacidade dos cães de saltarem em comprimento. Em competições de dock diving, os cães são treinados a correr e a saltar para a água, desafiando limites. Alguns conseguem saltar cerca de 9 metros, segundo The Labrador Site

Como vêem os cães?

 Os olhos dos cães são incríveis e podem ver coisas que nenhum de nós consegue ver. No entanto, a visão de um cão não é necessariamente melhor do que a de um ser humano. De acordo com Veterinary Vision, o facto de terem os olhos nas laterais da sua cabeça resulta numa visão periférica maior, contudo a sua acuidade visual (ou a sua capacidade de focar objectos) é apenas cerca de 20 a 40 porcento da de um ser humano. Isto significa que aquilo que um cão consegue distinguir como objeto a 6 metros, um ser humano com uma visão perfeita consegue distinguir a 27,4 metros. Por esta razão, os cães confiam muito nos seus outros sentidos para os ajudar a navegar pelo mundo.

A audição dos cães é realmente boa?

O bom ouvido dos cães não é um mito. Na verdade, é uma vantagem biológica impressionante que os ajuda há milhares de anos. De acordo com a Petful, um cão é capaz de ouvir um som a uma distância até quatro vezes superior do que nós. Os cães têm a capacidade de usar os seus ouvidos de forma independente e mudar a direção para a qual estão a ouvir, o que os ajuda a focar num som específico. Isto deve-se aos 18 músculos que têm nos seus ouvidos (três vezes mais do que no ouvido humano). Os cães também têm a capacidade de ouvir frequências diferentes, e é por isso que os assobios podem afetá-los tanto, mesmo quando nós não ouvimos nada. Por último, os cães também têm a capacidade de praticar uma audição selectiva semelhante à dos humanos, por isso, quando chama o seu cão e tem a sensação de que ele o está a ignorar, o mais provável é que esteja.

Por que razão os cães se emocionam tanto ao ver-nos?

Two pomeranian dogs smiling in car.Sempre, sem exceção! O entusiasmo dos cães ao verem os seus humanos preferidos é uma das razões pelas quais os adoramos. Mas por que razão se emocionam tanto?

Existem três fatores chave, refere io9. Ao analisarem 'scans' cerebrais de cães expostos a certos cheiros, investigadores do comportamento canino descobriram que o cheiro de um ser humano que lhes é familiar ativa o sistema de recompensa do cérebro de uma forma que nenhum outro cheiro consegue. Tal sugere que os cães não só distinguem seres humanos de outros cães, como também adoram verdadeiramente passar tempo connosco.

Outro estudo recorreu a uma experiência cognitiva concebida para crianças que voltam a ver a mãe após um período de ausência, verificando que a resposta dos cães quando se reencontram com os seus tutores é muito similar. É importante lembrar que os cães são animais sociais que não gostam de estar sozinhos. Para eles, o nosso regresso liberta-os da solidão. Tendo tudo isto em conta, não é de estranhar que os cães não consigam conter a sua emoção ao ver os seus humanos preferidos.

Por que razão existem tantas raças de cães?

Os cães são uma das espécies mais diversas do planeta. No Reino Unido, a The Kennel Club reconhece 218 raças distintas de cães, sem contar com as variações regionais, os cruzamentos, as raças mistas e os cães que escapam a qualquer classificação.

Os cientistas acreditam que os cães, com a sua diversidade de cores, formas, tamanhos e temperamentos começaram a divergir geneticamente dos lobos há aproximadamente 27.000 anos. Devemo-lo aos antigos genes dominantes de caçadores-coletores e à manipulação da sua expressão nas gerações posteriores.

Embora esta prática se tenha levado a cabo desde que os cães começaram a ser domesticados, a criação seletiva de cães explodiu durante o século XIX, quando as pessoas começaram a criar raças diferentes por razões estéticas e de inovação, em vez de favorecem características mais úteis para a caça ou pastorícia. Como esta prática continua nos dias de hoje, o número de raças de cães e a diversidade entre as espécies continua a aumentar.

Não há dúvida de que os cães são especiais, tal como a ligação que partilhamos com eles. À medida que a ciência continua a crescer, continuamos a descobrir cada vez mais sobre os nossos melhores amigos. Mas há uma coisa que não precisamos que a ciência nos diga: o quão fantásticos são os nossos cães - todos e cada um deles.

Biografia da autora

Jean Marie Bauhaus

Jean Marie Bauhaus

Jean Marie Bauhaus é blogger, tutora de animais de companhia e romancista de Tulsa, Oklahoma, onde normalmente escreve sob a supervisão dos seus patudos.

Artigos relacionados