Desidratação em cães: sinais de que o seu cão está a sofrer um golpe de calor

Publicado por Jean Marie Bauhaus 
minutos de leitura

Uma temperatura excessivamente alta em cães não é algo ao qual deva ser indiferente. À medida que o calor aumenta, é importante estar ciente de como esse aumento de temperatura pode afetar o seu melhor amigo. A desidratação em cães pode levar a situações muito graves que podem ser fatais, como um golpe de calor ou paragem cardíaca. Para manter o seu cão seguro e fresco durante o verão, aqui está tudo o que precisa saber sobre os sinais de um golpe de calor e como evitá-los: dica, um pouco de água faz maravilhas para mantê-lo fresco.

Desidratação e golpe de calor

Ao contrário das pessoas, os cães não transpiram. Embora tenham algumas glândulas sudoríparas nos membros, elas não oferecem muita ajuda na regulação da temperatura corporal. Os cães, tentam diminuir a temperatura através de uma respiração rápida, com a boca aberta e a língua para fora, mais conhecida como arfar. Mas às vezes, o arfar não é suficiente para evitar o aumento excessivo da temperatura.

O golpe de calor em cães pode ocorrer quando a sua temperatura corporal está acima do valor da temperatura normal. De acordo com a PetMD.com, esta situação pode variar em cada animal, embora uma temperatura de 39°C ou mais seja considerada geralmente acima do normal. Se a temperatura continuar a subir e ultrapassar os 41°C, o seu cão corre o risco de sofrer um golpe de calor, no qual os seus órgãos podem começar a falhar, inclusive o coração pode parar.

Sinais de alerta

Felizmente, não é difícil identificar os sinais de um aumento de temperatura corporal em cães. Respiração ofegante excessiva é o primeiro sinal. Um cão com uma temperatura perigosamente alta pode entrar em colapso ou sofrer convulsões, vómitos ou diarreia, e as gengivas ou a língua podem ficar com uma cor azul ou um vermelha intenso. É necessário identificar o problema, de modo a evitar que o animal sofra uma desidratação ou um golpe de calor graves. É necessário estar mais atento que o normal, pois os primeiros sinais, normalmente, são impercetíveis. Um dos sinais que pode observar é quando chama o seu nome, em vez de virar a cabeça e olhar para si, nota que ele fica a olhar para o horizonte. Em caso de dúvida, mantenha o seu cão longe do calor. Outros sinais que podem demonstrar que o animal está desidratado é a aparência de olhos opacos, salivação excessiva, frequência cardíaca alta, tonturas, falta de coordenação, febre, letargia e perda de consciência.

Fatores de risco

overweight pug pantingEmbora todos os cães sejam suscetíveis a sofrerem um golpe de calor, há algumas raças com maior probabilidade de sofrerem do que outras. Particularmente raças de pelo longo ou muito denso, cães muito jovens ou muito velhos, raças braquiocefálicas (aquelas com focinhos muito curto e faces planas, como shih tzu, pug, boxers ou bulldogs). Cães com excesso de peso ou com doenças que dificultam a respiração ou problemas cardíacos também são especialmente suscetíveis. Cães extremamente ativos, cães de trabalho ou de caça (retrievers, pastores, spaniels…) têm um risco maior, principalmente nos meses quentes. Deve ter cuidado para não exigir muito desses cães, garantindo que eles tenham várias pausas para descansar na sombra e que estejam sempre bem hidratados. Fatores ambientais também podem ser um fator de risco. Tenha cuidado não apenas com altas temperaturas, mas também com humidade excessiva, que pode aumentar as hipóteses do seu cão sofrer um golpe de calor. Todos os cães terão um grande risco de sofrerem com um golpe de calor se não tiverem um local fresco e protegido do sol, onde possam relaxar. E, especialmente os cães que são deixados ao sol no interior de um carro, que podem ficar desidratados e sofrerem um golpe de calor.

O que fazer se o seu cão sofrer um golpe de calor.

Ao primeiro sinal de subida da temperatura no seu cão, deve tentar diminuir a temperatura imediatamente. A Vetstreet recomenda os seguintes passos para tratar a desidratação e um golpe de calor em cães:

  1. Coloque o seu cão num local fresco imediatamente, não importa se é dentro de uma sala com ar-condicionado ou à sombra com um ventilador.
  2. Verifique a sua temperatura retal com um termómetro. A desidratação causada pelo calor geralmente ocorre quando a temperatura dos cães está entre 39°C e 41°C. Temperaturas acima de 41°C aumentam bastante o risco do seu cão sofrer um golpe de calor. Se estiver na zona de risco, dirija-se a um veterinário imediatamente.
  3. Se estiver perto de um lago ou piscina, deixe o seu cão refrescar-se na água. Também pode usar roupas ou toalhas molhadas com água fria para arrefecer. Coloque a roupa molhada no pescoço, nas axilas e entre as patas traseiras, e também pode molhar cuidadosamente os ouvidos e as almofadas plantares com água fresca.
  4. Se o seu cão estiver consciente e tiver sede, dê-lhe água fresca. Se não quiser, não o force a beber, pois a água pode ir para os pulmões. Se não pode ou não quer beber, o que pode fazer é humedecer a boca do seu animal com água. Não dê cubos de gelo porque a queda repentina de temperatura pode causar um choque.
  5. Leve-o ao veterinário. Se ainda não o fez, ligue para a clínica veterinária para que possam preparar tudo e posteriormente agir o mais rápido possível.

Evitar um golpe de calor nos cães

Claro que o melhor tratamento é a prevenção. Pode proteger o seu cão do calor excessivo com algumas práticas básicas de segurança. Isso inclui limitar o exercício ao ar livre em ambientes muito quentes ou húmidos, sempre oferecendo um lugar à sombra e com água fresca quando estiver fora. E nunca, em nenhuma circunstância, deixe o seu cão dentro do carro, mesmo se estacionar na sombra e deixar as janelas abertas. Em dias com temperaturas amenas (cerca de 20°C), o interior de um carro pode chegar a 48°C numa questão de minutos, tornando-o um ambiente muito perigoso para deixar o seu cão, mesmo que por pouco tempo.

White spaniel dog swimming in lake water.Se o seu melhor amigo precisar de exercitar-se para acalmar, leve-o para nadar ou deixe-o correr ao lado dos aspersores antes de voltar para casa. Também pode envolvê-lo numa toalha ou numa camisa fria, para manter a temperatura baixa sem ter de molhá-lo. Se o seu cão tem pelo comprido ou muito grosso, considere tosquiá-lo para que ele consiga suportar os meses mais quentes, mas nunca por completo para que exista uma camada de pelo que o proteja do sol.

Além disso, se gosta de fazer longos passeios com o seu cão, é melhor ir nas horas mais frias do dia (no início da manhã ou no final da tarde), pois o pavimento do chão pode queimar as almofadas plantares do seu cão. Leve água consigo e deixe-o descansar de vez em quando. Se correr com o seu cão, não exija muito esforço. Quanto mais alta a temperatura, mais difícil é manter-se hidratado durante a corrida, e o mesmo acontece com o seu cão.

Se for caçar ou fazer montanhismo com o seu cão ou mesmo trabalhar (por exemplo, pastar), faça várias pausas e dê-lhe água fresca sempre que quiser. Considere a opção de humedecê-lo de tempos em tempos enquanto estiver ativo e mantenha-o sempre sob vigilância para detetar os primeiros sinais de que pode estar a sofrer com o calor. Lembre-se de que os cães que trabalham normalmente são tão focados na sua missão que não percebem que precisam descansar ou se refrescar. É sua função estar ciente disso e garantir que ele descansa.

Por fim, não esqueça de ter um plano caso a eletricidade falhe e não possa ter ar condicionado. Apesar de se sentir desconfortável nessa situação, é ainda pior para o seu cão cuja temperatura corporal é mais elevada que a sua. Se planeia ir de viagem para algum lugar, verifique se o seu cão também é bem-vindo. Se não for, pode procurar uma associação ou hotel canino que seja seguro e fresco até voltar para casa.

Agora que sabe como reconhecer um golpe de calor, como agir e como evitá-lo, pode enfrentar um verão feliz e divertido com o seu amigo de quatro patas.

Contributor Bio

Jean Marie Bauhaus

Jean Marie Bauhaus

 

Jean Marie Bauhaus é uma autora de ficção, escritora e editora freelancer que mora em Tulsa, Oklahoma. Ela escreve frequentemente sobre animais de companhia e a saúde dos animais no escritório da sua casa, juntamente com os seus melhores amigos.

 

PRODUTOS RELACIONADOS